Ao passar na feira ou em supermercados, existe a dúvida de como comprar as frutas, verduras e legumes. Se estão bons para uso ou não.

A dica é não comprar frutas nem verdes nem maduras. A aparência da fruta diz tudo. Evite comprar frutas batidas, danificadas, com manchas. Depende muito da fruta, o melão, por exemplo, pressione levemente as extremidades, se estiver mole, está no ponto. A cor também deve ser bem amarela, não opaca. Os legumes as verduras têm que ser sempre bem lavados. E por fim, adicione um colher de sopa de vinagre para esterilizar por completo o verde que utilizará.

Por Ana Carolina Rocha

Fonte: Dona Benta, pg 47 e 48


Que tal plantar aí mesmo na sua casa o que você vai comer no almoço? “Mas não há espaço na minha casa” você diria. Mas não há espaço sequer para um vasinho com um pequeno pé de salsinha? Tudo bem, isso não seria seu almoço, apenas um ingrediente do tempero para ele.

A terapia de cuidar de um jardim e o prazer de ver surgir pratos maravilhosos com o que você mesmo plantou, cuidou, colheu e cozinhou ainda existiria.

Plantar não exige muito espaço: basta um lugar onde você possa colocar um vaso e você pode plantar seu próprio tempero fresco (que recém-colhido tem muito mais sabor e cheiro), um pé de alface ou mesmo um pé de jabuticaba (que acabaria parecendo um bonsai, mas nem por isso deixaria de lhe dar as deliciosas jabuticabas). Se houver espaço para dois ou três vasos então, melhor ainda! Você poderia plantar desde o tempero para o feijão, até as folhas para a salada e, ainda, as cascas que sobraram da batata que foi para o assado, podem ao invés de ir para o lixo virar adubo para suas plantas. Um jeito simples de se economizar (mesmo que pouco), relaxar cuidando das plantas e comer alimentos sem agrotóxicos, com procedência mais do que conhecida e confiável.

Por Daniela F. Santoro


No alimento orgânico tudo é natural, não há agrotóxicos, fertilizantes sintéticos, conservantes químicos ou aditivos. O respeito com o meio ambiente, a responsabilidade social e os diversos programas ambientais são consequências dessa escolha de vida.

Muita gente não sabe, mas não só frutas e verduras podem ser produzidas dessa maneira, o processo pode ser usado com qualquer alimento: doces, pães, massas, laticínios, etc. No Brasil o conhecimento sobre o assunto é ainda pequeno, mas na Europa, por exemplo, podemos encontrar até roupas que tiveram seu processo de produção livre de aditivos químicos.

E não alcançamos apenas benefícios pessoais, “o modelo orgânico é socialmente mais justo e traz benefícios ecológicos em escala global”. Já que quem produz o alimento orgânico é sempre as pequenas propriedades e associações de agricultores, deixando de lado a indústria agroquímica. A propriedade se torna auto-sustentável.

A técnica para produzir alimentos orgânicos é antiga, ao contrário dos transgênicos, não há nenhum uso de fertilizantes, drogas veterinárias, aditivos, hormônios e químicos em geral. Esse é o motivo mais relevante para muitos adeptos da alimentação orgânica. Estudos sobre os agrotóxicos comprovam que seus efeitos são cumulativos no organismo e são a origem de muitos males modernos, além é claro de câncer, problemas neurológicos, dores de cabeça, alergias e etc.

Mas não é fácil excluir os alimentos não orgânicos da nossa vida, principalmente para os que vivem nas grandes cidades e para os que não podem pagar pelo custo alto dos produtos disponíveis no mercado.  Nesses casos, o melhor é escolher bem entre os que têm menos aditivos químicos em todo o processo de produção. Preferir sempre frutas e verduras de época; lavar tudo o que for consumir em água corrente com esponja e deixar de molho numa solução com vinagre; excluir as folhas externas das verduras, pois receberam mais agrotóxicos; retirar a gordura dos frangos, pois as substâncias tóxicas se acumulam nos tecidos gordurosos e dar preferência aos alimentos regionais que não precisam deslocar-se de grandes distâncias. E uma boa dica é: encontre um espaço na sua casa e monte sua própria horta!

Por Daniela F. Santoro


Sopa Fria Espanhola

Ingredientes:

3 colheres de azeite

2 dentes de alho

1 cebola picada

10 colheres de sopa de creme de leite

2 pimentões crus e picados

1 beterraba cozida e descascada

1 pitada de sal

1 colher de vinagre

4 cenouras

Acrescente um pouco de gelo e bata.

Rendimento  para 4 pessoas.

Gazpacho Andaluz

Ingredientes:

7 colheres de azeite de oliva

30 colheres de água

2 dentes de alho

1 ovo cozido

100gr de miolo de pão

50gr de pepino japonês

50gr de pimentão verde

1 pitada de sal

1kg de tomates maduros

½ cebola picada fininha

3 colheres de vinagre

Bata todos os ingredientes no liquidificador e passe a mistura pela peneira, acrescente gelo se achar necessário e bom apetite!

Rendimento para 6 pessoas.

Creme de Abóbora Cabochã

Ingredientes:

1 kilo e ½ de abóbora

1 cebola

1 litro de caldo de verduras

Suco de limão

Manteiga

Pimenta do reino e sal a gosto

Amêndoas picadas

Descasque a abóbora, tire as sementes e corte em pedaços pequenos, frite a cebola na manteiga, junte o caldo e a abóbora. Deixe cozinhar até desmanchar a abóbora e tempere com suco de limão, sal e pimenta. Acrescente as amêndoas picadas ao final.

Por Daniela Foloni Santoro


Muitas pesquisas estão comprovando diversos benefícios do amaranto, mais conhecido como o feijão dos Andes.

De fácil cultivo e rápido crescimento, este alimento é uma excelente fonte de proteínas de alto valor biológico, vitaminas, ferro, cálcio, zinco e fibras.

Ajuda na redução do colestrol do sangue, controla o nível de açúcar no sangue, prevenindo o diabetes e ajuda na redução de peso.

Veja esta deliciosa receita de bolo de amaranto com banana elaborada por nutricionistas da USP:





CONTINUE NAVEGANDO: